REGISTRO DE IMÓVEIS DE SANTA ISABEL DO IVAI-PR, SUA HISTÓRIA E INSTALAÇÃO

HISTÓRIA DOS ISABELENSES

Narro a história de Santa Isabel do Ivai-PR, com intuito único de conhecimento e aprendizado próprios e para a lembrança daqueles e todos, do tempo que já se foi, e que fizeram esta Cidade acontecer, em ações para abrir espaço, tendo interesse, coragem, e narro especialmente para as novas gerações, com o desejo de que se debrucem sobre suas novas vocações, ideais, idéias, responsabilidades e ao chamamento para serem os "novos e atuais desbravadores", destes novos tempos do Século XXI, trazendo novamente, o sonho de que aqui, já foi mas pode novamente, com sabedoria e as novas cabeças pensantes em ação e com os exemplos decorridos na história, ser uma NOVA, grande e próspera cidade, com outra história, mas o mesmo desejo de prosperidade. Espero que gostem. Então... vamos viajar: "A luta pela posse definitiva do território brasileiro é cheia de heroísmo, sacrifícios e brigas ingentes. Contudo o povoamento efetivo do Vale do Ivaí só vai ocorrer em data do ano 1554, com o erguiamento de Vila Rica do Espirito Santo, em território das reduções de Guairá.
A fundação de Santa Isabel do Ivaí deve-se, sobretudo, aos diversos fluxos demográficos provenientes do Ciclo Cafeeiro do início do século XX no Estado do
Paraná. Entre 1948 e 1950, um grupo de desbravadores constituiram uma companhia territorial com a finalidade de lotear e povoar a 'Gleba 19' inteira, e o lote nº 1, da Gleba 15, da então 'Colônia de Paranavaí. A empresa que aqui veio em 1952, COMPANHIA LEME FERREIRA COMISSÁRIA E EXPORTADORA SOCIEDADE ANÔNIMA, tendo sua sede em Santos-SP, nas pessoas de seus proprietários TARQUINIO MARQUES FERREIRA, ALBERICO MARQUES DA SILVA, RUBENS FERREIRA DA SILVA e ALDO AMÉRICO MORTARI, interessada em diversificar seus negócios, adquiriu do Estado do Paraná, para fundação de Santa Isabel do Ivaí, a totalidade das terras dos lotes número um (01), Gleba 15, e lote número dois (2), da gleba número 19 (dezenove), da Colônia de Paranavaí, que pertencia ao Município de Paranavai, da então Comarca de Mandaguarí-PR, e recebeu a denominação de '"Companhia Imobiliária e Colonizadora Santa Isabel do Ivaí"' por um de seus gerentes 'Alberico Marques Ferreira', sendo que o Sr. GUSTAVO BRIGAGÃO, radicou-se desde o início no loteamento, como Gerente do empreendimento, o qual, em falecimento trágico e prematuro, em muito prejudicou o bom andamento dos planos da Companhia e dos novos habitantes. Criado através da 'Lei Estadual n° 253 de 26 de novembro de 1954', e instalado em 22 de novembro de 1955, desmembrando-se então de Paranavaí. Divulgada a notícia da venda dos lotes, um número surpreendente de interessados chegaram ao local, vindos daqui mesmo, do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, do Nordeste, além de imigrantes italianos, portugueses e japoneses, onde rapidamente a população atingiu 30.000 habitantes. No ano de 1952, onde iniciou a colonização, o patrimônio de Santa Isabel do Ivaí já possuía 3.000 habitantes. E dai em diante o progresso foi vertiginoso, forjando uma das regiões mais prosperas do País. Na década de 1960 a população
atingiu aproximadamente 40.000 habitantes. E já em 1953 o patrimônio de Santa
Isabel do Ivaí foi elevado à categoria de distrito
administrativo de Paranavaí. Poços artesianos, instalação de uma rede subterrânea de combate a incêndios, única
então existente em todo o Norte e Noroeste do Estado, Instalação de serrarias, de uma cerâmica, cuja capacidade de produção era maior de todo o estado e em 1954, através da Lei Estadual N◦ 253, de 26 de novembro de 1954, o Distrito de Santa Isabel do Ivaí foi merecedor de ser elevado à categoria de Município no dia 25 de novembro de 1955 sendo o seu 1◦ PREFEITO MUNICIPAL SR. PASCHOAL PUCCI. Cidade esta que já nasceu privilegiada, pois desde sua implantação, já contava com energia elétrica e água encanada, até mesmo um campo de pouso, para que os corretores viessem de avião, trazendo seus clientes. Passa o Município assim, por uma fase excepcional de progresso. E atendendo ao clamor de todos seus munícipes, pela Lei Estadual N◦4.664, de 29 de dezembro de 1962, Santa Isabel do Ivaí foi elevada á Categoria de Comarca, instalada no dia 31 de agosto de 1963. A cidade notabilizou-se pela grande produção de café, e extração de madeiras, bem como pelo seu Cinema, seu Clube 2 de julho, as festas religiosas, o carnaval e o futebol. Mas tudo passa, o tempo, o progresso o desgaste da terra, as sucessivas administrações da Cidade, que não tiveram a habilidade, sensibilidade e o princípio de coletividade, para buscar novas soluções que impedissem o êxodo populacional, encarregaram-se de deixar "sua marca" de "descontribuição", sentida até os dias atuais. Hoje, Santa Isabel do Ivaí é uma cidade localizada no Noroeste do estado do Paraná. Sua população segundo o informe IBGE 2019 é de 8.562 habitantes. O surto de progresso foi rápido mas não tem o mesmo ímpeto de outrora. O município é constituído de 1 distrito: São José do Ivaí. O município se estende por 349,5 km². A densidade demográfica é de 25,1 habitantes por km² no território. Origem do Gentílico: seus habitantes são conhecidos e tratados por: santa-isabelense ou isabelense. Costumo dizer que sou muito "bairrista", sou defensor ferrenho da comunidade que convivo e vivo, e hoje, realmente, sinto-me um "verdadeiro bairrista de SANZA", o que tenho certeza, com as bênçãos de Deus, a FAMÍLIA JACOMEL - ORTEGA já é defensora desta Cidade e seus habitantes. Em 1995, assumi, após aprovação em concurso Público, A Serventia Distrital de Amaporã-PR, ficando até 24/01/2017 (22 anos), assumindo aqui, também após aprovação em Concurso público promovido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, em 25/01/2017. Nós, equipe do Registro de Imóveis, Zé Henrique, Carla e Luana, com muita qualidade, capacitação, juntados com conhecimento e educação, estamos totalmente ao dispor da comunidade, QUE SÃO TODOS VOCÊS, E tenham certeza que teremos a maior satisfação atender tanto a apresentação de seus documentos para registro, quanto informações, independentemente de quaisquer situações, exatamente por praticarmos o respeito no dirigirmo-nos a cada um, com suas qualidades, defeitos e aptidões. Não tenho partido político, não sou filiado a nenhum, o que não implica não participar e opinar, como cidadão já radicado e eleitor, inserido como mais um para apoiar opiniões e idéias que auxiliem no crescimento cultural e comercial de nossa Cidade. Portanto me reapresento: prazer em conhecê-los, sou JOSÉ ANTONIO ORTEGA RUIZ, e juntamente com minha esposa MEIRE JACOMEL, estamos ao vosso dispor.
Abraços. 

 

INFORMES E HISTÓRIA DO REGISTRO DE IMÓVEIS

  1.  DE ONDE VEM OS CARTÓRIOS
  • Comumente nos
    encontramos diante de coisas que sempre existiram e vez por outra, nos perguntamos de onde vieram, como começaram? 

ASSIM SÃO OS REGISTROS PÚBLICOS, que equivocadamente são por vezes referidos como herança portuguesa esquecida. É verdade que existiram e funcionam em terras lusas, além-mar, MAS NÃO NASCERAM AÍ. OS REGISTROS
FAZEM SUA PRÓPRIA HISTÓRIA, MAS SEU SURGIMENTO PODE SER CONFUNDIDO COM O
NASCIMENTO DA PRÓPRIA CIVILIZAÇÃO.
A preocupação com a publicidade imobiliária parece estar presente desde a Transição da civilização
pré-histórica. Na Mesopotâmia há indícios de procedimentos voltados a
publicidade registral, bem antes do Código de Hamurábi (c. 1700 a.C.). Chega-nos informações acerca de contratos de
transmissão imobiliária lavrados por escribas (notários) em tabuletas
de argila, que apresentavam o selo do notário (kunuku). Essas tabuletas seriam entregues aos compradores em um recipiente
contendo a inscrição da tampa e, muitas vezes, cópias eram guardadas por autoridades públicas (registros públicos). A BÍBLIA, EM JEREMIAS, REGISTRA A FORMALIDADE DA COMPRA DE UM IMÓVEL NOS TEMPOS DE NABUCODONOSOR.
Nesta passagem, Javé ordena
a Jeremias: “Toma estes
documentos, este contrato de compra, o exemplar selado e a cópia aberta e coloca-os em um lugar seguro, para que se conservem por muito tempo. Porque assim disse Iahweh dos Exércitos, o Deus de Israel: ainda se comprarão
casas, campos e vinhas nesta terra”. (Jer. 32:14-15). 

CONFIANÇA E CREDIBILIDADE. SUBSCREVO E DOU FÉ.

Essas qualidades, ou princípios, tais quais CONFIANÇA e CREDIBILIDADE, conferiam-lhes (aos antigos escribas antes de Cristo) a "fé pública" necessária para a realização das transações, sendo então, considerados esse escribas, os antecedentes dos notários modernos. Como fato histórico relevante na arte notarial, temos os registros das datas do nascimento de Jesus Cristo segundo o calendário gregoriano, como também a data de sua circuncisão, de sua ressurreição. Onde, tudo que é feito e assinado na Presença do Notário ou Registrador, ele subscreve e tudo dá fé, como verdadeiro, perfeito e acabado.  

Serviços Registrais de imóveis

SOLICITAÇÃO DE CERTIDÕES E-MAIL REGISTRADORES

Horário de Funcionamento

Monday

-

-

Hoje

-

-

Wednesday

-

-

Thursday

-

-

Friday

-

-

Saturday
Fechado
Sunday
Fechado

Disponibilizações

Acessível a cadeiras de rodas
Aceitamos cartões de débito/crédito
Wi-Fi no local
Balcão adaptado a cadeirantes
Acessibilidade à banheiro
Idiomas:
Português

Envie uma Mensagem

Um email será enviado para o proprietário

Áreas de Cobertura

Santa Isabel do Ivai, Santa Mônica, Planaltina do Paraná, Distrito de São José e Aparecidinha